O Anúncio a Maria segundo Beato Angélico (IIIª parte)

Tempo de leitura: 7 minutosTempo de leitura: 7 minutos

As palavras que conhecemos do Evangelho de Lucas cederam à Presença do Logos e o diálogo é pintado sem palavras nos dois afrescos e no painel. Em Cortona ainda existem algumas que foram pintadas no ar (Lc 1,35.38), palavras icônicas entre Gabriel e Maria, pintadas em duas etapas: da boca do Anjo à Virgem: O Espírito Santo descerá sobre ti – a Pomba sobre a cabeça dela -, da boca do Anjo para o ventre da Virgem: O poder do Altíssimo lançará a sua sombra sobre ti

Um céu azul-escuro estrelado com ouro sobre todo o recorte do lugar, e palavras na tabuinha dourada em relevo entre Maria e Gabriel, pintadas de cabeça para baixo para que Deus Pai colocado no topo possa lê-las, mas também para significar a sua irrupção na história do Deus levanto os humildes do pó e abro à esperança. Da boca da Virgem à boca do Anjo corre a escrita: Ecce ancilla Domini, fiat mihi secundum verbum tuum. Na orla bordada que envolve a túnica vermelha na borda graciosa as mesmas palavras pintadas do lado direito para serem bem lidas.

A arte do pintor mostra-se aqui angélica porque representa a mais alta expressão dos valores espirituais, dos ideais humanistas e da novidade de visão da realidade trazida pelo Renascimento com a obra inicial inovadora de Brunelleschi e Masaccio, lida aqui por Beato Angélico de forma mariológica. Acentua-se o interesse pela exploração rítmica do espaço e a elegância do pórtico onde se realiza o evento sagrado, com uma arquitetura primorosa do início do Renascimento de linhas muito puras. Nos retábulos de Cortona e Prado, o verde brilhante de um jardim florido é um cenário esplêndido, descrito com escrúpulo botânico e absoluta precisão realista e ao fundo Adão e Eva que vão embora sofrendo com isso.

O sacramento da nova Presença do Logos está todo nas mãos do Anjo e da Virgem, o verdadeiro fogo dos três ícones. Mas na cela do convento o livro na mão de Maria é também um sacramento da Palavra: da mão direita apertada contra o coração, aberta pelo polegar, apoiada no dedo médio, o indicador mostra-o não escrito. O livro, símbolo de oração, de familiaridade com a Sagrada Escritura, indica a presença do Verbo que se faz carne no seio de Maria, como já se fez presente na Sagrada Escritura. Com esta analogia visual entre Maria e a Sagrada Escritura (Virgo liber Verbi), o evento da Encarnação é revestido de luz e Maria é designada como o livro sobre o qual Deus escreveu a sua Palavra.

O livro sobre os joelhos da Virgem recorda a profecia de Isaías: “Por isso o próprio Senhor te dará um sinal. Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, a quem chamará Emanuel” (Is 7,14). Além disso, na patrística mariana, a Virgem é frequentemente associada à imagem do livro, definida como Liber Generationis Christi (Ernesto de Praga), Liber Dei manu scriptus (Efrém, o Sírio). É considerada um livro místico, que ofereceu a palavra de Deus ao conhecimento dos homens.

Catarina de Sena escreve:

«A gloriosa virgem Maria foi aquele doce campo onde foi semeada a semente do Verbo encarnado do Filho de Deus Bendito e doce campo de Maria foi este Verbo espalhado em sua carne como a semente lançada à terra, que pelo calor do sol germina e entre a flor e o fruto fica o sabor da terra. Assim aconteceu realmente pelo calor e fogo da caridade divina que Deus teve para com a geração humana ao semear a semente da sua Palavra no campo de Maria».

A composição da Anunciação pintada em todos os lugares é oferecida atenta à mariologia de Tomás de Aquino:

«O anúncio feito à Santíssima Virgem sobre sua concepção de Cristo foi um evento de adequada dignidade. Em primeiro lugar para a congruência a fim de unir o Filho de Deus à Virgem, isto é, para que ela fosse instruída na mente antes de concebê-lo na carne… melhor ela foi divinamente instruída. Também para oferecer a Deus o dom gratuito de sua reverência; e ela se apresentou disponível respondendo: Aqui está a serva do Senhor. Finalmente, para que ficasse claro que uma espécie de matrimônio espiritual estava se estabelecendo entre o Filho de Deus e a natureza humana, para isso o anúncio pedia o consentimento da Virgem» (a. I).

«São Beda diz que foi muito coerente ter a Virgem consagrada ao porto divino por um anjo enviado por Deus; na verdade, a primeira causa da perdição humana tinha vindo de uma criatura semelhante quando a serpente foi enviada pelo diabo para enganar a mulher» (a. 2).

«E o nome, diz Gregório, era absolutamente consistente com seu cargo; na verdade Gabriel significa Fortaleza de Deus, e aquele que veio para conquistar os poderes do mal, Senhor dos poderes e Poderoso na batalha, foi anunciado da Fortaleza de Deus» (a. 2 ad 4).

«O anjo anunciador apareceu à Mãe de Deus em visão corporal… de fato, veio anunciar a Encarnação de Deus invisível […] Até as aparições do Antigo Testamento foram todas preordenadas para a vinda do Filho de Deus na carne. […] E foi uma visão adequada à dignidade da mãe de Deus que estava recebendo o Filho de Deus não só na mente, mas também no corpo […] Sem dizer que tudo que cai diante dos olhos é apreendido com maior certeza do que é o objeto de uma única imagem; é por isso que Crisóstomo diz que o Anjo era visível perante a Virgem. E como o Anjo estava fazendo uma revelação muito grande, uma visão muito solene foi oferecida à Virgem» (a. 3).

Entre as muitas Virgens Anunciadas pintadas por Angélico, as mais brilhantes em luz e cor são a do Prado

e o retábulo de Montecarlo, hoje em S. Maria delle Grazie em S. Giovanni Valdarno. A primeira já existia há algum tempo quando a igreja foi consagrada em outubro de 1435. O traçado é totalmente renascentista na estrutura e perspectiva, e na abolição do fundo dourado. Mas resta algo não dito nas figuras, as colunas são muito finas, o Jardim do Éden está muito próximo dos dois progenitores, tão grande e não muito distante, que parece contemporâneo à cena evangélica.

Na Anunciação de S. Giovanni Valdarno, por outro lado, o progresso, mesmo no sentido teológico, é mais evidente .

O espaço é decididamente dominado, a arquitetura do pórtico é proporcional e tem uma perspectiva eloquente nos arcos em fuga para o alto, à esquerda, onde em dimensões mínimas e distantes é a expulsão do paraíso terrestre. As figuras estão vivas, falam-se com gestos e olhos, tanto que as palavras escritas parecem um refinamento gótico supérfluo. A Virgem modesta e serena, depois das palavras tranquilizadoras do Anjo; ela tem um véu transparente e uma aliança no dedo; e é modelado nas mãos e na cabeça com uma admirável sensação de volume, emergindo das linhas curvas do pescoço estendido e do corpo destacado das costas. Um livro aberto está em seu colo. A intensidade da cor e a riqueza dos detalhes do ambiente, finamente descritivos, satisfazem o olhar do orante.

Em todas as pinturas e afrescos de Beato Angélico, as mãos, sempre belas, têm uma função extraordinariamente psicológica e espiritual. Na Anunciação de S. Giovanni Valdarno, as mãos estão unidas na base da cintura e ao mesmo tempo dilatadas como uma palma. Contra o fundo vermelho do vestido da Virgem, o dedo médio se eleva um pouco da perspectiva do todo e parece indicar a figura de Isaías no rolo central. Sobre os joelhos de Maria, foi colocado o livro das Sagradas Escrituras, a Palavra de Deus, quase num gesto de surpresa com a aparição do anjo Gabriel. Tudo parece estar reunido na elegância do manto azul de Maria que circunscreve a figura com o movimento suave das dobras e a borda dourada, no seu encantador claro-escuro. Na liturgia, é importante o gesto das mãos ou os movimentos de todo o corpo, instrumento e expressão da alma, sobretudo o rosto e a mão são o instrumento e o espelho da alma.

Se observarmos uma pessoa, de fato, em um momento de alegria, espanto, expectativa, percebemos como esses sentimentos também se manifestam nas mãos ao mesmo tempo. As mãos, depois do rosto, são a parte mais espiritual do corpo. As mãos, firmes e vigorosas, podem ser instrumentos de trabalho, mas também de ataque e defesa; mas, tão finas e delicadas como as de Maria, podem revelar a alma e ao mesmo tempo acolher a alma dos outros. 

Também fazemos isso sempre com as mãos: não é acolher a alma do outro quando apertamos as mãos que uma pessoa nos estende? Assim, também acontece na liturgia onde uma verdadeira linguagem está em ação diante de Deus: a alma recebe Deus e quer se doar. As mãos, igualmente abertas e dilatadas, da Virgem correspondem às mãos dilatadas e reunidas de Gabriel. Ambos unidos e reunidos na recepção do Dom de Deus e na adoração deste Dom. Olhando para as mãos de Maria e do Anjo, é natural pensar que as mãos de Deus estão entrelaçadas com as de suas criaturas no Senhor Jesus.

Conclusão

Ao olhar para as Anunciações de Fiesole (que hoje se encontra no Prado) e de Cortona, deslumbrantes de luz e cores, até a da cela do dormitório de S. Marco, o passo é enorme: desaparecimento do ouro, das cores vivas, da expulsão do Éden, das palavras do diálogo entre o anjo e Maria. A natureza é um pouco afastada, como que fora do diálogo, embora reconhecendo que o hortus conclusus, um conhecido símbolo de virgindade que preparou Maria para a maternidade divina, também desempenha o seu papel. Mesmo a arquitetura, embora fortalecida, abre-se plenamente para revelar o mistério e acolher a mensagem celestial, enquanto antes restringia sua visão. As duas figuras são definidas por cores castas: as asas iridescentes do mensageiro celeste são combinadas com o azul denso do manto da Virgem aberto como um livro ao Verbo divino.

Related Articles

Pedro de Alexandria (m. 311)

Tempo de leitura: 3 minutos Tempo de leitura: 3 minutos O nome honorífico de Padres da Igreja é dado a alguns grandes teólogos que não se limitaram apenas à apologética, mas propuseram como seu principal objetivo o aprofundamento teológico da herança da fé, com base na revelação.

Adamâncio

Tempo de leitura: 5 minutos Tempo de leitura: 5 minutos No Diálogo, Adamâncio, os ortodoxos e alguns discípulos de seitas gnósticas, incluindo Marino, são confrontados diante do moderador pagão Eutrópio. A composição está dividida em 5 livros, todos interessados pelo que afirmam sobre a real Encarnação do Verbo; sob o perfil mariano, os livros IV e V são os mais importantes, que ao insistir precisamente na realidade da encarnação de Cristo, revelam e sublinham a maternidade real e virginal de Maria. O Diálogo apresenta argumentos que se tornarão comuns contra os maniqueus na segunda metade do século IV, sobre a não indignidade da Encarnação e do ventre de uma mulher.

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?