O Anúncio a Maria segundo Beato Angélico

Tempo de leitura: 6 minutosTempo de leitura: 6 minutos


O pintor da luz

Nas obras de Angélico (séc. XIV), a arte adquire sentidos que transcendem seu valor artístico e tem outras funções: não podem ser compreendidas em sua natureza de arte sem essa sua significação e funcionalidade não artísticas: torná-las objetos de arte, consideração puramente artística significa nem mesmo entendê-los como arte.

Portanto, não indiferentes aos problemas de estética – e de crítica de arte, e de história da arte, – mas também problemas teológicos e litúrgicos: de fato, existe entre a iconografia das obras desse gênero e a iconologia que as fundou um círculo osmótico constituído pela cultura, que, neste caso, é globalmente cristã; como ensina São Tomás Angélico: 

«A beleza está essencialmente presente na contemplação, então da contemplação da Sabedoria se diz: tornei-me um amante de sua beleza»

(S.Th. a. 2 ad 3)

e acrescenta são Gregório Magno «a vida contemplativa, mais amável, é a doçura».

A personalidade composta de Fra Angélico reside nesta sinergia, aliás, é o expoente máximo. Gótico, o último do gótico e o primeiro dos humanistas, artista independente e catequista de pregação, o primeiro a compartilhar um senso das alegrias naturais: como seus jardins realçam a frescura e a alegria primaveril nos afrescos da Anunciação e no Noli me tangere [Não me toques] em São Marcos.

Se Beato Angélico agrega o encanto da grande beleza visual, o interesse de expressão, muito intenso, a atração da cor mais delicada, porém, suas cenas têm um valor tão tátil e ao mesmo tempo tão indefinível que mais não poderia ser dito.

O ouro do fundo salta no ouro incrustado como uma renda de ourives das auréolas, das asas angelicais, nos raios riscados e ofuscantes do poder de Deus, nos cachos louro-mel dos anjos. 

Diz-se que ele não pegou um pincel antes de rezar. O fato de ser penetrado por Deus nas orações deu-lhe uma luz que deu substância à sua capacidade angelical de delinear o rosto da Virgem, dos santos e da Trindade. Talvez, para sentir a beleza de sua pintura, seja necessário compartilhar com ele aquela vida de fé que o moveu e o fez viver. Claro, Beato Angélico permanece na virada da Idade Média e do Humanismo, enquanto os historiadores da arte identificam suas conexões com Masaccio, Ghiberti, Filippo Lippi, Lorenzo Monaco, até mesmo os flamengos. Mas totalmente dele é a orquestração espacial clara, o fôlego expandido da paisagem, a gama cromática muito brilhante e dentro dela rica em gradações infinitas e delicadas. Alguém até falou de uma representação sagrada com eloquência e com razão. É ele quem, entre o realismo de Donatello e as teorias da historicidade de Alberti, criou o compromisso do naturalismo ao abrir caminho para uma arte que não é mais uma representação imóvel, mas, ao contrário, um discurso animado, uma conversa humana. 

Para compreender o Angélico é necessário compreender o seu enigma. Ele conta iconograficamente a história da salvação, para a qual o novo estilo do Renascimento florentino coincide nele, intencionalmente, com a contemplação existencial do sacramento da salvação.

Beato João Angélico é hagiógrafo, ou seja, escreve para o ministério eclesial a revelação de Deus aos homens com cor e luz. E ele o escreveu como um monge, para citar aqueles gregos que de 1439 a 1443 participaram das sessões conciliares em Florença; isto é, exerce na Igreja o ministério do hagiógrafo, compondo a sua pintura reveladora com a experiência do sacerdócio ministerial e da situação conventual que vive também na Igreja. Assim, os componentes de sua obra, cada um dos quais ele realiza em dimensões privilegiadas como evidenciado por aqueles que conviveram com ele, são múltiplos e todos influentes em níveis inusitados. A assembleia litúrgica e a comunidade eclesial, a comunidade conventual – o coro, o claustro, a cela, o refeitório – o estudo do frade pregador e a técnica do pintor fundem-se e reforçam-se.

Fra João Angélico abre a pequena série dos doze artistas que ao longo dos séculos, desde o Renascimento italiano até os dias atuais, podem legitimamente reivindicar ser autores de obras de arte sacras, de arte para a liturgia. A tradição espiritual dos cânones regulares de São Domingos vem a ele, e a tradição litúrgica dos monges, da arte de Lorenzo Camaldolese. Suas relações são conhecidas, por um lado com Antonino de Florença, por outro lado com Catarina de Sena. E existe também Tomás de Aquino. Enquanto frei João se encontra em consonância com frei Antonino, futuro bispo de Florença, por sintonias nativas e adquiridas, e enquanto Santa Catarina é um filtro místico de intuições e implementações pictóricas, São Tomás é o médico que oferece e explica a impecável fonte bíblica buscada. Beato Angélico conhece as Escrituras. Antonino de Firenze, Catarina da Sena e Tomás de Aquino obedecem ao aliis tradere [entregar aos outros os frutos] contemplado do uniforme dominicano .

Frei João apreender a teologia decisiva de sua espiritualidade e sua cultura de Aquino, organizada em torno das pedras angulares da fé: a nova humanidade e a nova criação, o princípio cristológico; a luminosidade do Verbo Encarnado e a divinização do homem, o princípio eclesiológico. Resta o hoje do acontecimento misterioso, o princípio sacramental, que se realiza na transfiguração, na cruz e na Páscoa, segundo o gosto místico de Catarina de Sena.

A Anunciação

No ícone da Anunciação de Maria, Beato Angélico vê para sempre prefigurada a vocação e missão da Igreja, uma vocação e uma missão que no mundo só pode ser cumprida pela Cruz que a Palavra de Deus trará à sua vida e em sua aventura terrena. Quanto maior a missão, de fato, visível ou invisível, maior a disponibilidade do coração. Ao Verbo que se faz carne, Maria empresta não só a sua carne e o seu sangue, mas tudo de si, a sua capacidade de amor e de dedicação, os seus esforços, os seus pensamentos, os seus cantos, os seus silêncios de adoração.

No ícone da Anunciação cada fiel reconhece a sua vocação. Não é preciso grandes habilidades humanas para prestar um serviço válido à obra da salvação, mas apenas uma doação humilde e total de amor. Não tenha medo de Maria! .

Dezesseis vezes, até onde sabemos, Frei João pinta o anúncio do anjo Gabriel à Virgem Maria.

Ele a retrata em tratados mais elaborados, em um relicário para o altar de Santa Maria Novella,

em um missal na igreja de seu primeiro convento; ele a narra nas igrejas dominicanas de Fiesole e Cortona, nas igrejas franciscanas de Santa Croce em Florença e nos Servos de Maria em Santo Alessandro em Brescia, reelaborados por Jacopo Bellini em 1444. Mas a contemplação misteriosa, novamente pelos Dominicanos e Servos , oferece especialmente, nos frescos do corredor e na cela 3 do convento de São Marco e no painel 2 do ofício Argenti para a Anunciação, a memória litúrgica da Encarnação do Senhor.

No afresco do corredor,

frei João coloca a Anunciação em um templum, em um recorte de espaço complexo, de modo a acomodar claramente o hodie [hoje], o momento agraciado da Encarnação do Senhor. É uma arquitetura ágil e solene, erguida em um gramado cercado, que leva a uma sala linear, no meio de um jardim arborizado e empurrada por ela até ao pórtico. A grade de doze folhas é emoldurada pela luz da manhã e aberta para o bosque, especialmente porque o essencial do tempo e do espaço é enfatizado de arco a arco e até a parede com amarrações de ferro sobre os capitéis. A impressão é forte e imediata; o contraste entre a cela atemporal muito nua, a estrutura do século XV e a antiga vegetação além e deste lado da paliçada são ecos sensíveis ao Gênesis: o Senhor Deus plantou um jardim no Éden, ao leste (Gen 2,8) em harmonia com o Cântico dos Cânticos:

«À sombra daquele que eu desejei estou sentada e doce é o seu fruto na minha boca. Ele, meu amado, me introduziu na cela do vinho e o seu sinal sobre mim é o amor. O meu dileto parou atrás do muro olhando da janela, espiando da grade. Agora meu amado fala e diz:

«Levanta-te minha amiga, minha linda, vem! Eis que o inverno já passou, a chuva parou,  se foi, as flores surgiram nos prados,  ouve a voz da pomba. Levanta-te minha amiga, minha bela, vem! Ó minha pomba, que estás nas fendas da rocha. Mostra-me o teu rosto, deixa-me ouvir a tua voz porque a tua voz é suave e o teu rosto é lindo».

(Ct 2, 3-4.9-12.14)

O tondo escavado na pluma do arco da coluna mediana não prolonga Isaías com a cártula profética (Is 7,14), como na mesa de Cortona e Prado, mas é, em vez disso, preenchido com um vazio em movimento. O fato de Frei João aqui omitir a expulsão de Adão e Eva do paraíso do Éden, certamente, é sutilmente destinado a potencializar o matrimônio decisivo entre Deus e a humanidade, finalmente realizado. Do jardim do Éden ao jardim do Cântico, passamos com a memória festiva que a liturgia oferece à Encarnação do Senhor.

Related Articles

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?