Orígenes

Tempo de leitura: 8 minutosTempo de leitura: 8 minutos

ORÍGENES

(m. 254)

Orígenes é uma das maiores figuras cristãs de todos os tempos. Ele viveu em pobreza heróica: andava descalço, possuía apenas uma túnica, dormia no chão, dedicava o dia ao ascetismo, a noite ao estudo das Sagradas Escrituras. Ele foi um exemplo vivo. Ele nasceu por volta de 185 de uma família cristã. Seu pai Leônidas deu-lhe uma profunda educação grega e bíblica. Após a morte de seu pai na perseguição de Septímio Severo, aos 18 anos foi encarregado da escola catequética pelo bispo Demétrio, que manteve até cerca de 230; depois, por ciúmes e contrastes que o forçaram ao exílio, mudou-se para Cesaréia na Palestina, onde fundou uma nova escola e sua biblioteca ficou famosa. Ele andou muito, convidado com admiração por bispos e figuras políticas ilustres. Morreu por volta do ano 253/254, na sequência dos tormentos sofridos na perseguição de Décio.

As obras de Orígenes são inúmeras: obras de crítica textual, de apologia e sobretudo de exegese. Seu é o primeiro tratado de teologia sistemática, intitulado Os Princípios; o Esaples e a apologia Contra Celso são famosos; acadêmico e espiritual, juntamente com seus comentários e homilias sobre quase todos os livros do Antigo Testamento e do Novo Testamento. A maioria dessas obras foi perdida, especialmente devido aos violentos protestos póstumos contra ele e seus escritos. Do que possuímos hoje pouco nos foi transmitido no grego original; quase todos nas versões latinas de Girolamo e Rufino.

O fulcro da sua doutrina e da sua espiritualidade muito profunda é a teologia do Logos, o Verbo eterno que se fez homem para restituir ao homem a participação da luz e da graça. O mistério do Logos caracteriza a história da humanidade e do cosmos, da Igreja e do indivíduo, do tempo e da eternidade: ele é o caminho ao pleroma celeste que conduz ao Pai, o único modo. Orígenes é teólogo, exegeta e homem espiritual ao mesmo tempo. Ele lê as Escrituras com paixão e tenacidade, sempre partindo do sentido literal, sem descuidar nem um ápice ou um pingo da letra, mas não se detém nisso: procura sempre descobrir o sentido espiritual, aquele desejado pelo Espírito que inspirou a Bíblia e que é iluminado pelo mistério de Cristo, ontem, hoje e sempre; porque o Antigo Testamento é toda profecia de Cristo, e o Novo Testamento é tanto o cumprimento do passado quanto a profecia do futuro, do Evangelho eterno da bem-aventurança do céu. No entanto, para chegar a um autêntico conhecimento espiritual do mistério divino oculto na letra da Escritura, ele sabe que é necessário exercer ao mesmo tempo a renúncia ao pecado e a pureza de coração, pela fé e pelo amor: o homem deve atingir a sua espiritualidade mais elevada, transfigurando-se em Cristo, para conhecer e compreender o que o Espírito diz à Igreja, porque é só um homem espiritual que pode compreender o sentido espiritual da Palavra de Deus, incluindo a Virgem Maria que teve este compromisso de realizar progressivamente o próprio itinerário de conhecimento, que se transformará em vida.

Fiel aos princípios que ele colocou à frente de suas tentativas de sistematização dogmática, Orígenes também no caso de Maria se baseia na imutável tradição apostólica: o que a Igreja acredita explicitamente é a base de qualquer estudo doutrinal posterior. Assim, a figura teológica de Maria encontra sua primeira configuração em Orígenes: 

  • Maria é a Virgem predita por Isaías, 
  • Virgem Santa em corpo e alma, 
  • as primícias da virgindade entre as mulheres; 
  • é a Virgem que virginalmente concebeu Cristo, o Verbo Encarnado, por poder divino e uma sombra do Espírito; 
  • e ela é uma Virgem perpétua, que não conheceu o homem nem antes nem depois da geração do Filho. 

Até mesmo o termo Theotokos e “maternidade divina” talvez encontre um primeiro defensor em Orígenes. Mas é sobretudo a figura evangélica de Maria que predomina nas obras sobreviventes de Orígenes: o seu caminho de fé, entendido como peregrinação progressiva rumo ao pleno conhecimento e experiência da Palavra, nas suas palavras e nos acontecimentos da sua economia salvadora, desde a encarnação na Páscoa, passando pelo escândalo da cruz. Nesta peregrinação de fé, Maria é colocada por Orígenes na linha de toda a Igreja, a começar pelos Apóstolos que são os líderes da santidade eclesial: os acontecimentos de graça, que só Maria teve o dom de viver, não a dissociaram de nós, mas colocaram-na quase à frente de todos na busca progressiva e identificação com a Palavra. Dois caminhos correm paralelos a este itinerário irresistível de Maria: a linha da fé e a linha do amor. Quanto à fé, Maria se viu em um confronto ativo e responsável primeiro com a palavra divina proferida no Antigo Testamento, que ela meditava diariamente; depois com o novo campo de reflexão que a Encarnação induziu na sua alma atenta e meditativa: as palavras e a realidade do Filho. Também para ela não foi fácil compreender as palavras e o comportamento de Jesus: isso é um indício da busca e do achado frenéticos no templo; com efeito, também ela, como todas as outras, incluindo os Apóstolos, sofreu o escândalo da cruz e de algum modo falhou a sua fé ao pé da cruz, onde de uma forma humanamente incompreensível Deus morreu entre tormentos: é a exegese originária da espada  prevista por Simeão, uma exegese que teve um longo rastro no Oriente entre os Padres. 

Na linha do amor, por outro lado, a Virgem é considerada por Orígenes como modelo do homem espiritual e do apóstolo: ela sobe rapidamente nas montanhas, percorrendo rapidamente o caminho de sua configuração com Cristo, dando graças em si mesma (isto é, ampliando) a imagem divina; levanta-se para comunicar aos outros o Senhor de quem está plena: por isso a sua voz torna-se voz da Palavra e comunicação do Espírito. Fica claro por estas breves notas quanta veneração Orígenes tinha pela Mãe de Jesus.

Os Princípios

O estupendo milagre da Encarnação

(I Principi, II, 6)

Mas de todos os seus grandes milagres um enche a mente humana de admiração além de toda capacidade e fragilidade do mortal intelecto que não compreende: como tanto poder da majestade divina, a própria Palavra e Sabedoria de Deus Pai, na qual foram criadas todas as coisas visíveis e invisíveis (Col 1,16), está delimitada no homem que apareceu na Judéia, e a Sabedoria de Deus entrou no ventre de uma mulher e nasceu como uma criança e proferiu gritos como crianças.

Contra Celso

As acusações dos judeus contra Maria 

(Contra Celso I, 28)

Celso contra Jesus os discursos infantis e indignos de cabelos brancos de um filósofo: examinemos isso com muito cuidado e vejamos que nem sequer soube dar ao seu judeu um papel adequado. Ele então o coloca no palco para disputar com o próprio Jesus, fingindo convencê-lo de mais coisas, em seu modo de ver: e, antes de tudo, de ter inventado seu nascimento de uma virgem. Ele então o censurou por ser natural de um pequeno distrito da Judéia e por ter como mãe uma mulher indígena, pobre e fiandeira; que – afirma – convencido do adultério, foi afugentada pelo marido, que era carpinteiro; então, depois de ser expulsa, ela vagou vergonhosamente e secretamente deu à luz a Jesus; que, forçado pela miséria, foi ao Egito em busca de trabalho; e depois de ter aprendido lá algumas daquelas artes secretas de que os egípcios se gloriam, ele voltou para o país, todo orgulhoso dessas artes: e perante eles ele se proclamou Deus, ao contrário, que tudo isso conspira para mostrar Jesus digno das profecias, que dizem que ele é o Filho de Deus.

Nasceu virginalmente: prova filosófica 

(Contra Celso I, 28)

Mas voltemos ao palco na cena daquele judeu , onde (Celso) afirma que a Mãe de Jesus, convencida do adultério, foi afugentada pelo marido carpinteiro e deu à luz um soldado chamado Pantera; e vejamos se quem inventou a história do adultério da Virgem com Pantera e o carpinteiro que a perseguiu, não o fez de olhos abertos, para se livrar da extraordinária concepção por obra do Espírito Santo. De fato, por causa de sua natureza absolutamente extraordinária, ele poderia ter falsificado a história de uma maneira muito diferente, sem ser forçado, quase contra sua vontade, a admitir que Jesus não nasceu de relacionamentos conjugais usuais. De fato, era lógico que aqueles que não aceitaram o admirável nascimento de Jesus inventaram alguma asneira. Mas tê-lo feito de maneira nada convincente, isto é, sem retirar o fato de que a Virgem não concebeu por José, é uma falsidade manifesta para todos aqueles que sabem ouvir e julgar os contos de fadas. Como pode ser razoável que aquele que conseguiu fazer tanto pelos homens, a ponto de induzir – no que lhe dizia respeito – todos, gregos e bárbaros, a se abster do mal por medo do julgamento de Deus, e fazer tudo de bom grado para o bem? Criador do universo, teve em sorte não uma geração extraordinária, mas a mais infame e vergonhosa de todas? Questiono os gregos, e primeiro Celso, que (compartilhando ou não) relata as teorias de Platão: Quem envia almas para corpos humanos, pode ter se introduzido no mundo com o mais vergonhoso dos nascimentos – e nem mesmo com uma união esponsal legítima! – aquele que teria feito tanto, que teria ensinado tantos, que teria retratado muitos da maré dos vícios? Não é talvez mais lógico que toda alma, introduzida no corpo por causas misteriosas (agora digo isso de acordo com as teorias de Pitágoras, Platão e Empédocles, que Celso frequentemente cita), seja introduzida de acordo com o mérito e os costumes anteriores? É, portanto, perfeitamente razoável que esta alma, que teria sido muito mais útil do que muitas outras (não digo todas, para não parecer exclusivista), necessitasse, vindo ao mundo, de um corpo não apenas superior, por assim dizer , aos outros corpos humanos, mas de todos os melhores.
De fato, se uma alma, digna – por causas ocultas – não exatamente de ser encerrada no corpo de um bruto, mas nem mesmo perfeitamente no corpo de um ser racional, é revestida de um corpo monstruoso, de modo que nem mesmo a razão consegue se desenvolver em tal corpo, com uma cabeça desproporcional e muito menor que o resto; outro, por outro lado, recebe tal corpo que se torna um pouco mais inteligente do que isso; uma terceira, depois ainda melhor – já que a constituição do corpo impede mais ou menos o desenvolvimento da razão: então não poderia haver sequer uma alma que recebesse um corpo extraordinário, que tivesse algo em comum com os outros homens para poder viver com eles, mas também ter algo mais eleito, para que a alma possa permanecer livre dos vícios? Se compartilharmos então as teorias da fisionomia – como Zopiro, Losso, Polemone ou qualquer outro que tenha escrito sobre esses temas, declarando saber algo misterioso – que todos os corpos correspondem aos costumes das almas: talvez devesse ter sido dado – como Celso pensa – um corpo originário de Pantera adúltero e de uma virgem adúltera para aquela alma que teria vivido uma vida maravilhosa no mundo e teria realizado grandes coisas? Mas dessa união sem vergonha teria saído algum louco, uma desgraça da raça humana, um mestre da intemperança, da injustiça e de todos os outros vícios, e não da temperança, da justiça e de todas as outras virtudes!

Comentário a João

Maria mãe dos discípulos

(Comentário sobre João, I, 4)

Devemos, portanto, ousar dizer que as primícias de todas as Escrituras são os Evangelhos, mas dos Evangelhos as primícias são as de João. Ninguém pode perceber o seu significado, a menos que descansou no peito de Jesus e recebeu de Jesus Maria, que também se tornou sua mãe. Assim deve ser quem quer ser outro João, que – como João – Jesus pode se declarar que é Jesus. De fato – segundo os que dela ouviram falar – ninguém mais é filho de Maria a não ser Jesus, e Jesus diz à sua mãe: “Eis o teu filho”, é como se dissesse: “Eis, este é Jesus que você gerou». Já que todo perfeito não vive mais, mas é Cristo quem vive nele; e se Cristo vive nele, diz-se dele a Maria: “Eis Cristo teu filho”.

A voz da saudação de Maria

(Comentário sobre João, I, 32)

Além disso, diz-se que um homem virá depois de João, que foi trazido antes dele, e existe antes dele, para que saibamos também que o homem do Filho de Deus que foi misturado com sua divindade é mais antigo que o nascimento de Maria. O Batista diz que não o conhecia. Mas como ele não conheceu aquele que, ainda criança, havia saltado de exultação no ventre de Isabel, quando a voz da saudação de Maria chegou aos ouvidos da esposa de Zacarias?

Related Articles

Aristide

Tempo de leitura: 2 minutos Tempo de leitura: 2 minutos O que é a Apologia? Defesa racional da fé cristã sobre Deus, Cristo, a Igreja e o sentido comum de todos os homens. As argumentações normalmente eram dirigidas aos gentios ou judeus. Também nas comunidades cristãs não católicas, aos membros mais duvidosos da Igreja, ou simplesmente aos fiéis que desejam aprofundar com consciência a fé pois como diz São Pedro: «antes, santifiquem Cristo como Senhor no coração. Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês» (1 Ped 3,15).

Semana Santa: Maria Discípula do Senhor

Tempo de leitura: 3 minutos Tempo de leitura: 3 minutos O ciclo pascal desenvolve-se durante cerca de três meses e centra-se nas celebrações do sagrado Tríduo. É o núcleo em torno do qual se move a vida das comunidades eclesiais, que refazem a perene experiência penitencial do êxodo e da concretização libertadora da Páscoa na vida dos indivíduos.

Nossa Senhora do Advento e o Batismo Cristão

Tempo de leitura: 4 minutos Tempo de leitura: 4 minutos Desde os primeiros momentos até os cumes mais altos da espiritualidade, é sempre Maria quem prepara a vinda de Jesus em nós, que constantemente e plenamente forma Jesus em nós, os batizados. Maria acompanha todo o caminho da regeneração espiritual e do crescimento espiritual em Cristo, desde o seu início até à sua plenitude. 

Pedro de Alexandria (m. 311)

Tempo de leitura: 3 minutos Tempo de leitura: 3 minutos O nome honorífico de Padres da Igreja é dado a alguns grandes teólogos que não se limitaram apenas à apologética, mas propuseram como seu principal objetivo o aprofundamento teológico da herança da fé, com base na revelação.

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?