A Mariologia de Eustázio de Antioquia

Eustázio de Antioquia (m. 343)

Natural de Side (Panfília), foi primeiro bispo de Berea (Alepo) e depois de Antioquia (324). Opositor dos arianos, ele desempenhou um papel de liderança no Concílio de Nicéia (325). Mais tarde, ele discutiu com Eusébio de Cesaréia. No contexto da reação anti-nicena que começou logo após o concílio, ele foi acusado por uma assembleia conciliar ariana em Antioquia em 327 sob a presidência de Eusébio, condenado e deposto por razões não de natureza doutrinal, mas presumivelmente disciplinares (imoralidade, excesso de poder?).
Exilado em Traianopoli (Trácia), não temos mais notícias dele, de modo que acredita-se que tenha desaparecido no seu exílio antes da morte de Constantino (337).
Apenas alguns fragmentos sobreviveram de vários tratados anti-arianos nomeados por Jerônimo: Contra os Arianos, Sobre a Alma.
De configuração monárquica, mas moderada, ele distingue na natureza divina Una os prosopas Pai e do Filho, mas considera o prosopon apenas como uma maneira de se apresentar da divindade e insiste fortemente na unidade perfeita do Pai e do Filho, Logos e sabedoria do Pai. Ele foi o único, nesta fase inicial da controvérsia ariana, que discutiu com a logos-arx dos adversários, de derivação alexandrina, em nome de uma concepção Logos-anthropos, que preservava a integridade de humanidade assumida pelo Logos divinos.
Logos-anthropos: se chama assim a uma cristologia a partir de baixo, característica da Escola de Antioquia, interessada em defender a plena humanidade de Jesus Cristo. Uma vez que os antioquenos partiram da dualidade das naturezas (a plena natureza humana de Cristo e sua natureza divina), eles tiveram que enfrentar a questão: como a divindade e a humanidade de Cristo estão unidas no único sujeito atuante? Sua cristologia poderia desviar-se, abandonando a unidade real de Cristo e acabando por admitir dois sujeitos: o Verbo que assume e o homem Jesus que é assumido.
Logos-arx: Uma cristologia “do alto”, característica de Orígenes (m. 254), centrada no Logos que, preexistente desde toda a eternidade, desceu ao mundo. A escola alexandrina geralmente conseguiu preservar a divindade genuína e a verdadeira unidade de Cristo como o único sujeito atuante. Para alguns alexandrinos, o ponto mais sério estava em mostrar sua verdadeira humanidade e abordar a questão: como poderia a eterna Palavra de Deus assumir um modo de agir genuíno e plenamente humano?
Na ênfase dada ao Logos-anthropos, Eustázio mostra o cenário asiático e, de fato, sua terminologia cristológica apresenta pontos notáveis ​​de contato com a de Paulo de Samósata, embora não compartilhe dos excessos do adocionismo que levaram à sua condenação.
Adocionismo: heresia segundo a qual Cristo, como Deus, era verdadeiro Filho de Deus por natureza, mas como homem, ele era apenas filho adotivo de Deus
O único escrito sobrevivente de Eustáquio é Sobre a Pitonisa de Endor (1Sam 28), fortemente polêmico em relação a Orígenes, a quem Eustázio afirma ter alegorizado toda a Escritura.
Pelo que sabemos dele, ele parece ser um dos últimos representantes da tradição asiática, cujas tendências teriam sido continuadas pela escola de Antioquia: nesse sentido, sua oposição ao arianismo se encaixa no contexto mais amplo da cultura asiática, reação à disseminação da cultura alexandrina na área síria.
No contexto da questão mariana, ele estava entre os que preferiam o título de Theotokos (Mãe de Deus) como nome da Santa Virgem.

A Encarnação do Verbo

Se, portanto, o Verbo recebeu o início da geração, da qual extraiu os correspondentes traços corporais passando pelo ventre materno, é claro que ele foi feito de uma mulher. Agora, se o Verbo e Deus estavam originalmente com o Pai, e dizemos que todas as coisas foram feitas por meio dele, então aquele que já existe e é o princípio causador da existência de todas as criaturas, não poderia se tornar homem de uma mulher; agora, portanto, ele é Deus auto-suficiente, infinito e ininteligível de acordo com a natureza; em vez disso, ele se tornou um homem de uma mulher, aquele que foi colocado no ventre virginal por obra do Espírito Santo.
(Fragmento 18)

Cristo redime da servidão da Lei

Mas, assim como se diz que o homem gerado pela Virgem foi feito de uma mulher, também está escrito que ele foi feito sob a Lei e foi quando ele procedeu pelas prescrições da Lei. Refere-se em particular ao momento em que os pais se apressaram com solicitude carinhosa para circuncidar a criança de oito dias, como relata o evangelista Lucas. Satisfazendo a oblação da sua purificação, levaram-no então ao templo para o apresentarem ao Senhor e oferecerem em sacrifício, como diz a Lei do Senhor, um par de rolas ou dois pombos (cf. Lc 2,21-24). Pois bem, ainda que trouxesse a humanidade assumida pela Virgem, ainda que fosse feita sob a Lei e purificada segundo o rito do primogênito, ele se submeteu a essa terapia do culto, não porque necessitasse pessoalmente desse remédio, mas para redimi-lo da servidão para aqueles que foram vendidos sob a condenação da maldição.
(Fragmento 23)

Sua entrada no seio da Virgem não diminuiu seu poder, pois o Espírito não permaneceu contaminado mesmo que seu corpo tivesse sido afixado no madeiro da cruz.
(Fragmento 30)

Cristo e Melquisedeque

Melquisedeque é representado para nós como órfão: embora na verdade tenha sido considerado semelhante a Deus e ao Verbo e, para dizer em uma palavra, embora parecesse ter sua imagem e manter sua impressão. No entanto, ele não está sem mãe, ele não está sem pai: Cristo, de fato, tem tanto a mãe, Maria, quanto a linhagem real de Davi (…) em sua genealogia.
(Fragmento 66)

Maria nas bodas de Caná

A mãe segundo o corpo, tendo acabado o vinho para os que bebiam com ele, informou-o disso, dizendo-lhe imediatamente: Eles não têm vinho (Jo 2,3). E Ele em resposta disse: O que há entre você e eu, mulher, acrescentando: A minha hora ainda não chegou (Jo 2,4). Então, através da forma de reprovação a que ele se esforçou, mostrou, como Deus, que sabe tudo e que está dentro da presciência divina, não precisando de modo algum aprender com os outros o que acontece, sobretudo porque é consolado por sua natureza a nada inativo.
(Fragmento 69)

Related Articles

CREDO OU SÍMBOLO APOSTÓLICO FALA DE MARIA?

O primeiro e mais importante testemunho de fé na literatura é simultaneamente o mais desconhecido, isto é o Símbolo Apostólico.
Símbolo que era proveniente dos Apóstolos e cada Igreja conservava um formulário que continha breves preposições ou artigos que colocavam junto, conservavam, colocavam próximos as verdades da fé: Sunbalein = unir com em grego.

Adamâncio

No Diálogo, Adamâncio, os ortodoxos e alguns discípulos de seitas gnósticas, incluindo Marino, são confrontados diante do moderador pagão Eutrópio. A composição está dividida em 5 livros, todos interessados pelo que afirmam sobre a real Encarnação do Verbo; sob o perfil mariano, os livros IV e V são os mais importantes, que ao insistir precisamente na realidade da encarnação de Cristo, revelam e sublinham a maternidade real e virginal de Maria. O Diálogo apresenta argumentos que se tornarão comuns contra os maniqueus na segunda metade do século IV, sobre a não indignidade da Encarnação e do ventre de uma mulher.

Responses

Open chat
Necessita de ajuda?
Ave Maria,
como a poderei ajudar?